TURISMO

Entenda como a Chapada dos Veadeiros pode ser um excelente local para autoreconexão

Conhecida como o Berço das Águas, por causa de suas nascentes de águas cristalinas, a região da Chapada dos Veadeiros é um dos lugares mais magníficos que o Brasil tem, considerado um dos maiores locais de conservação brasileira e de proteção integral à natureza, a Chapada é um lugar turístico, conhecido por sua riqueza de recursos naturais, cultura popular e beleza, consequentemente, atrai grande quantidade de visitantes. 

Em cima de uma das maiores e mais antigas placas de cristais de quartzo do mundo, formada a mais de 2 bilhões de anos atrás, a Chapada dos Veadeiros é um lugar que, segundo a maioria dos visitantes, guarda uma energia especial e diferente de qualquer lugar do mundo. 

Diego Giallanza é empresário e tem um papel fundamental quanto ao turismo da Chapada dos Veadeiros, com muitos grupos de artistas, Diego planeja viagens e passeios, tem contratos e parcerias com grande parte do comércio local, além de apresentar pontos turísticos, cachoeiras e parte da cultura goiana. 

Como um ritual, Diego costuma visitar a cidade pelo menos 12 vezes durante o ano. E, mesmo com uma agenda ocupada, encontra na Chapada dos Veadeiros seu refúgio.

“Meus dois lugares preferidos do mundo são: New York e Chapada dos Veadeiros, o melhor dos dois mundos”, conta. 

Ainda sem popularidade, o lugar foi descoberto por Diego, que viajou com seu namorado em 2013 e frequenta desde então. Como influenciador digital, ficou conhecido por conta de suas dicas de lugares incríveis, além de acompanhar grandes artistas em seus “tours” para conhecerem as belezas naturais e riquezas do local. O hobbie acabou virando negócio, surgiu assim “Os Chapadeiros” grupo que reúne amigos, artistas e amantes da Chapada, todos guiados por Diego.

A Chapada dos Veadeiros é considerada um recanto para muitos artistas e amigos de Diego. Caio Castro, Gil Coelho, Rainer Cadete, Nando Rodrigues, Jeniffer Nascimento, Isabella Santoni, Jesus Luz, Juliane Trevisol, Maria Joana e Agatha Moreira são algumas das celebridades que já realizaram esse tour pela região. De acordo com Diego, todos se apaixonaram e já voltaram ou prometem voltar novamente.

Entrevistamos Diego Giallanza, você pode conferir abaixo: 

– De onde surgiu seu amor pela Chapada dos Veadeiros?
“Tudo começou com o encantamento, é difícil não se encantar, quanto mais me aprofundava na Chapada, mais desbravava, mais apaixonado ficava! Aquele lugar é especial energicamente, tem no solo, a maior placa de quartzo rosa do mundo. A Chapada é linda, mística e se renova. Em 2017, sofreu queimadas criminosas e literalmente ressurgiu das cinzas, a capacidade de autorregeneração do Cerrado é surpreendente. E foi assim que surgiu esse amor, indo um pouco atrasado, na minha opinião, mas o encantamento do local e todas as vivências com sua gente me fez gerar esse amor.”

– Quais são as trilhas mais “hardcore” que você já fez com o grupo “Os Chapadeiros”?
A mais hardcore é a do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, para você fazer a trilha, é necessário que chegue até meio-dia na entrada do Parque. Em uma das nossas andaças, estávamos eu, Rainer Cadete e Bianca Bin, chegamos 12:03 e não fomos autorizados, por questão de segurança e por ser extensa, são 12km. As cachoeiras também são hardcore, vivenciei a experiência de uma tromba d’água em março deste ano, saímos da Cachoeira e contemplamos esse fenômeno natural num lugar seguro, as cachoeiras mais interessantes e com mais destaque para mim são: Loquinhas, Fazenda São Bento, Vale da Lua, Cachoeira do Segredo, Santa Barbara e Catarata dos Couros e para quem gosta de saltar, tem o complexo da Fazenda Macaquinhos, os poços não têm pedras e você pode saltar à vontade, Caio Castro que o diga (risada), aproveitou muito Macaquinhos. 

– Na sua opinião, quais são os melhores restaurantes para quem quer conhecer a culinária local?
Nós estamos no planalto central do Goiás, então lá você vai achar muita comida goiana. O pessoal que vive na Chapada também tem uma consciência ambiental e espiritual, então muitos são vegetarianos e alguns inclusive veganos. Como dicas de alimentação, eu posso destacar: Jambalaya, um restaurante que tem opções vegetarianas, veganas e pratos gourmetizados com ingredientes regionais como o pequi e a castanha de barú.
A Vendinha 1961 funciona todos os dias e é bem variada! Tem desde um bom sanduíche, saladas, rodízio de caldos, pratos a la carte e música ao vivo todos os dias, é um ambiente muito gostoso, que vale a pena visitar. Para quem procura restaurante a quilo, recomendo um que fica dentro de um hotel e leva seu nome, Tapindaré, é interessante porque o buffet é servido de 11h até as 17h e, como na Chapada temos a política da “almojanta” devido ao tempo dedicado nas trilhas, nem sempre conseguimos almoçar. Tenho que citar também o Rancho do Valdomiro, a carne de porco frita na lata é enlouquecedora! O valor pago é fixo para comer à vontade, e além de todos os pratos tem a matula, uma espécie de tutu a mineira servido na folha de bananeira. Na cidade de Cavalcante, Cervejaria Aracê é o destaque, de um casal de amigos chilenos que fazem a cerveja artesanal da Chapada e servem pratos típicos chilenos, pastel de choclo, empanadas e choripan. Lá também fazem um sorvete de um único sabor desenvolvido por eles: o sorvete de castanha de barú.

– Tem alguma história engraçada com os artistas que viajam com você?
Tenho várias histórias! Dá pra escrever um livro! Uma das mais marcantes que vivi durante todos esses anos, foi na época da Greve dos Caminhoneiros, a cidade de Alto Paraíso só tem um posto de gasolina e a fila estava quilométrica, não quisemos perder um dia de passeios e diversão naquela fila, decidimos que abasteceríamos o carro no dia seguinte, chegando lá: o posto estava fechado! As pessoas consumiram toda gasolina que havia no estoque e ficamos “ilhados”. Vi num site de Brasília que as pessoas estavam zerando o estoque de álcool etílico das farmácias, acredite, comprei álcool etílico 96 GL, e com esse “combustível” percorremos os 230km que separam Alto Paraíso de Brasília. Deu certo!

– Como transformou seu amor pela Chapada dos Veadeiros num negócio de sucesso?
A diversão, beleza natural do lugar, os restaurantes com as comidas típicas, as cachoeiras deslumbrantes começaram a chamar a atenção de amigos, artistas e influenciadores. Como temos uma empresa de assessoria, a Brain, nossos atores se interessaram e começamos a traze-los para desbravarmos despretenciosamente. Rainer Cadete, Dida Camero, Gil Coelho e Caio Castro foram os primeiros a nos acompanharem. O envolvimento do negócio foi natural, locais que vivenciamos e aprovamos a experiência oferecíamos nosso contrato e hoje temos desde hotéis, pousadas, spas, restaurantes, guias em nosso pool de parceiros.

Atualmente, Diego Giallanza continua fomentando o turismo local e afirma que “Os Chapadeiros” ainda vão levar muitas pessoas que são fãs da natureza e buscam um destino para relaxar e aproveitar toda energia que a Chapada dos Veadeiros pode oferecer.

FONTE: VEJA

Por 📸@EldoGomes | Jornalista e YouTuber.